Há poucos dias, estava em uma consultoria com um cliente e ele me relatou um fato que me inspirou e me provocou a compartilhar um assunto que há tempos gostaria de abordar aqui no blog.

Dizia ele que estava em uma reunião com um funcionário e que, ao cobrar certa demanda que havia sido dada no dia anterior, foi surpreendido com a seguinte resposta: “somos de gerações diferentes, você tem que me entender”.

A convivência entre as diferentes gerações já é uma realidade na dinâmica das empresas e um grande desafio para os líderes atuais. A cada dia surgem novos estudos, artigos e livros que tentam compreender as chamadas gerações Baby Boomers, X, Y e, mais atualmente, a geração Z. Você já ouviu falar em alguma delas?

Este é um fato que não pode ser ignorado e é necessário compreender a riqueza dessa diversidade entre as gerações para proporcionar um desenvolvimento equilibrado e harmonioso do negócio, tanto no que diz respeito à rotina organizacional quanto ao relacionamento com o cliente.

Não pretendo elaborar nenhum tratado rígido de como conviver com as diferentes gerações, contudo, quero propor uma reflexão sobre o tema, uma vez que é fundamental entendermos o comportamento dessas gerações e avaliarmos como isso pode impactar em nosso negócio.

As principais pesquisas realizadas destacam a existência de várias gerações que são categorizadas em função da data de nascimento. As que mais se destacam são as gerações Baby Boomers, X e Y e, mais recente, a geração Z.

As datas não são exatas e podem variar de acordo com o pesquisador, mas em suma, a maioria dos estudos trabalha com as seguintes diferenciações:

1. Baby Boomers:

Nascidos entre  1950 e 1960, para eles o trabalho é uma prioridade, são competitivos, não se preocupam muito com qualidade de vida e têm uma difícil relação com a tecnologia;

2. Geração X:

Nascidos entre as décadas de 60 e 70, têm foco nos resultados, buscam equilibrar a vida pessoal com a profissional, aprenderam a lidar com a tecnologia na juventude.

3. Geração Y:

Nascidos entre as décadas de 80 e 90, também são conhecidos como Geração Millenium. Esses são os jovens conectados da sociedade atual, são motivados por desafios e realizam várias tarefas ao mesmo tempo, não gostam de burocracia, querem mais flexibilidade, são impulsivos e mais colaborativos.

4. Geração Z:

Nascidos a partir do ano 2000, sua nomenclatura surge a partir da principal característica dessa geração: a capacidade de Zapear, de trocar com tranquilidade da televisão para o computador, das redes sociais online para o telefone e a grande assimilação com as transformações tecnológicas que estão em curso.

Vale destacar que a cultura e a história de cada região influenciam na formação dessas gerações e que essas características não são estáticas. Podemos ter pessoas consideradas da geração X, mas com o comportamento da geração Y e é aí que está a grande riqueza da diversidade da nossa sociedade.

A data de nascimento é o que menos deve importar para nossa reflexão. São os comportamentos e atitudes que darão o direcionamento para as estratégias gerenciais e de relacionamento com os públicos de interesse de um negócio, sejam eles colaboradores, clientes ou fornecedores.

O ser humano é único, porém plural. É impactado a todo instante por informações, culturas, valores e crenças diferentes que ajudam a moldar o seu comportamento. Entender com quem estamos nos relacionando e saber interpretar esses comportamentos se tornam grandes diferenciais competitivos.

Por isso, conhecer essas diferentes gerações hoje é tão fundamental. As características de cada uma delas nos dá um rico cenário para compreendermos onde nosso negócio está inserido e como podemos potencializar os resultados.

É importante compreender essas gerações, mas não nos prendermos rigidamente a elas para não criarmos um campo de miopia em nossas ações estratégicas. Os comportamentos dessas gerações dialogam entre si, ninguém é 100% geração X ou geração Z.

Convido você agora a um exercício. Aceita este desafio? Pense no seu público, tanto os colaboradores, fornecedores e clientes e faça as seguintes perguntas:

·         Quem é o meu público?

·         Em que faixa etária ele está presente?

·         A idade do meu público reflete a geração onde ele, metodologicamente, está categorizado ou o seu comportamento o coloca em uma geração diferente?

·         Como esse público gosta de ser atendido e de se relacionar?

·         Minha marca consegue dialogar com essas diferentes gerações?

Essas são respostas que todo líder deve tentar identificar no seu negócio. Negligenciar essas diferentes gerações e, fundamentalmente, os seus comportamentos pode ser um erro mortal.

Eu, permanentemente, faço esse exercício e não é fácil, mas é vital. São esses diagnósticos que darão base para o meu posicionamento estratégico, que permitirão que ações sejam mensuradas e que, certamente, impactarão os resultados que almejo.

Faça você também essa análise e compartilhe conosco as suas descobertas. Sua experiência é muito importante para nós. Participe.

Já curtiu a nossa página fã? >> FB/guilhermemachado.blog Acompanhe todas as novidades sobre o mercado imobiliário, empreendedorismo e inovação.

Esse conteúdo é publicado sob a licença Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 Unported.

1 comment
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


3 × = doze

Related Posts