Com apartamentos cada vez menores, a questão levantada por muitos dos futuros compradores é saber se dá para viver com conforto mesmo em ambientes mais enxutos.

Não à toa, quem vivia em um apartamento antigo e vai mudar para um novo talvez se espante com o pequeno espaço oferecido em alguns dos lançamentos recentes em São Paulo.

Tatiana Criscione e Rafael Machado no apartamento de 36 m² onde moram, na Consolação

Luciano Radunz, engenheiro de obras da Requadra, que trabalha com apartamentos que medem de 28 metros quadrados a 50 metros quadrados, defende que não é apenas o tamanho que deve ser levado em conta, mas a funcionalidade e o aproveitamento maior do espaço.

“Um apartamento antigo pode ter 70 metros quadrados e só um banheiro, mas um menor e novo pode ter dois.”

Segundo ele, itens em geral oferecidos pelos empreendimentos mais novos, como piscina e área de lazer, podem fazer a diferença em um condomínio.

“O fundamental é estudar muito o projeto de arquitetura. Não são quaisquer 30 metros quadrados que dão conforto.”

Questionado sobre qual seria um “piso” para viver com conforto e habitabilidade, ele aponta que é possível chegar aos 20 metros quadrados com essas condições, mas que isso não está nos planos da Requadra.

Já curtiu a nossa página fã? >> FB/guilhermemachado.blog Acompanhe todas as novidades sobre o mercado imobiliário, empreendedorismo e inovação.

O conteúdo original desse post foi publicado no site Folha.com.

Esse conteúdo é publicado sob a licença Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 Unported.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


2 + = nove

Related Posts