O consórcio era vantajoso quando a taxa de imóveis de financiamento girava em torno de 14%, diz economista / Foto: Forlan Magalhães

Em outubro, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central diminuiu a taxa Selic (taxa básica de juros) para 7,25% ao ano. Foi a 10ª redução consecutiva da taxa, que caiu 42% nos últimos meses. Além de influenciar a queda, ainda que modesta, da taxa de juros do financiamento de imóveis, a medida tornou o financiamento mais interessante para quem planeja comprar a casa própria por conta da correção das mensalidades, hoje zero.

“A taxa Selic colaborou para que o custo do financiamento fosse menor, porque há um ano, a média da taxa de juros era 11,5% ao ano e hoje gira em torno de 10,5%”, explica o economista e vice-presidente da Ordem dos Economistas do Brasil, José Dutra Vieira Sobrinho. “Mas há também o indexador, que corrige as prestações. Quando a Selic estava em torno de 8,5%, a taxa referencial estava em muito próxima de zero. Agora com a taxa básica de juros a 7,25% ao ano, o valor das mensalidades se mantém”, continua.

Com tais índices, o financiamento também se mostra mais vantajoso que o consórcio, modalidade conhecida pela ausência da cobrança de juros, pois o valor final do imóvel adquirido via consórcio pode ser muito superior ao preço inicial do apartamento ou casa. “O consórcio era vantajoso quando a taxa de imóveis de financiamento girava em torno de 14%. Existem financiamentos com taxa de juros de 5%. O consumidor tem de ver qual é a taxa administrativa, que muitas vezes pode representar acréscimo significativo ao valor total do imóvel”, explica a pesquisadora em Planejamento e Gestão Territorial e professora da UFABC (Universidade Federal do ABC) Luciana Royer. “Sei de casos de consórcio que podem atingir até 20% do valor do imóvel”, alerta.

Na opinião de David Dantas, professor de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), outra desvantagem do consórcio é a demora na contemplação. “O problema do consórcio é que o consumidor não sabe se a carta de crédito será capaz de comprar o imóvel que ele pensava no início. Portanto, esta modalidade só é interessante se houver condição de garantir antecipação da compra por meio de lances”, conclui.

Para quem busca imóvel novo, na planta ou construí-lo pode ainda optar pelo programa Minha Casa Minha Vida, que financia até 100% do valor da residência no prazo de 30 anos, com taxas a partir de 5% ao ano. Nas regiões metropolitanas, como o ABC, quem tem renda entre R$ 1,6 mil e R$ 5 mil pode financiar imóveis de até R$ 190 mil.

Planejamento evita dor de cabeça

Além de avaliar as taxas de juros e administração, os especialistas ressaltam a importância de fazer uma profunda investigação sobre a sua situação financeira, visto que o erro mais frequente de quem quer comprar um imóvel é desconsiderar os custos que a aquisição agrega. “Quando se compra um imóvel financiado, o consumidor tem custos que variam entre 20% e 30% do valor do imóvel, gastos com a ocupação, compra de móveis e eventuais reparos”, pondera Dantas.

Por isso, Dantas aconselha destinar, no máximo, 30% da renda para o pagamento das mensalidades, um pouco abaixo da capacidade de pagamento, porque se ocorrer algum problema, o consumidor consegue se ajustar.

Outro erro frequente é não inspecionar o vendedor do bem. “Quando se compra um imóvel na planta, é necessário avaliar também a idoneidade da construtora. Mas se for usado, o comprador precisa saber se o vendedor tem débitos com IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) ou dívidas, pois estes custos podem dar dor de cabeça ao consumidor, que não terá a quem recorrer após a transação”, ensina.

—-
Post originalmente publicado em Repórter Diário.

Esse conteúdo é publicado sob a licença Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 Unported.

4 comments
  1. JUBAIR FANTINI ESTOU MUITO GRATO PELAS SUAS INFOMAÇOES,ESTOU COM DIFICULDADE DE ESTAR ATENTO A TUDO MAS SOU ETERNAMENTE GRATO PELO QUE O SR ESTA FAZENDO PARA O RAMO IMOBIARIO DO BRASIL disse:

    Muito obrtigado por esta informaçao maravilhosa,isto vai favorecer o ramo imobiliari e preincipalmente os corretores que estao reeniciando as suas atividDES E PARA OS DEMAIS TAMBEM .QUE DEUS NOS AJUDE

  2. JUBAIR FANTINI ESTOU MUITO GRATO PELAS SUAS INFOMAÇOES,ESTOU COM DIFICULDADE DE ESTAR ATENTO A TUDO MAS SOU ETERNAMENTE GRATO PELO QUE O SR ESTA FAZENDO PARA O RAMO IMOBIARIO DO BRASIL disse:

    Sr, Guilherme essa noticia que o Sr esta nos informando,simplesmente e de grande expectativa no mercado Imobiliario a decima reduçao consecutiva da Taxa SELIC. ficando a TAXA BASICA DE juros PARA 7,5% AO ANO, ESTA NOTICIA E DE GRANDE AVALIA PARA OS CORRETORES DE IMOVEIS DO TERRITORIO NACIONAL E PRINCIPALMENTE PARA AQUELES QUE ESTAO REENICIANDO NOVAMENTE NO MECADO DE VENDAS,MUITO GRATO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


+ seis = 8

Related Posts