Prevendo que os recursos da poupança seriam insuficientes para suprir a crescente demanda por financiamento imobiliário, o mercado buscou desenvolver fontes alternativas de financiamento como a venda de títulos para os investidores (leia abaixo).

Mercado de capitais impulsiona financiamentos imobiliários

A expectativa era que os 65% da poupança não seriam mais suficientes para atender a procura por financiamentos a partir de 2014.

O cenário, porém, mudou bastante desde o ano passado. O crédito imobiliário, que crescia acima de 50% ao ano, deve ter expansão de cerca de 15% neste ano.

 

 

Já a poupança, que tinha crescimento de apenas 10%, ficou mais competitiva e bate recorde atrás de recorde de captação mesmo na nova regra e com redução dos juros.

“Os recursos da poupança ainda serão suficientes por algum tempo para financiar o setor imobiliário. O mercado está mais maduro e não teremos mais crescimento de 50% como no passado”, afirma Osmar Roncolato, vice-presidente da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

No ano passado, a captação da poupança cresceu 17,6%, acima dos 10,2% de 2011. Já os financiamentos imobiliários aumentaram 42,2%, bastante abaixo dos 65,2 de 2011. (TS)

 

—-

Post originalmente publicado em Lugar Certo

Esse conteúdo é publicado sob a licença Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 Unported.

1 comment
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


um + 9 =

Related Posts